Todos os posts de Assis Dutra

Seriedade e respeito naquilo que faz

Jovem morre afogado em Miguel Alves

Na manhã deste domingo, 19, o jovem Everton Pereira Dutra, morreu afogado no rio Parnaíba, na localidade Vila Tapuio, zona rural de Miguel Alves. Everton morava na rua 8, bairro COHEB na cidade de Miguel Alves, e estava a passeio, conforme relatos de amigos.  Ao participar de um bate-bola na beira do rio Parnaíba, num determinado lance a bola caiu dentro do leito do rio  e Everton saltou na água para pegá-la, mas não voltou mais, deixando os seus colegas desesperados.

IMG-20141019-WA0007

Populares da localidade imediatamente começaram as buscas, mas não obtiveram êxito. Segundo informações, uma equipe do Corpo de Bombeiros do Piauí está no local da tragédia desde o início da tarde deste domingo, para proceder as buscas e resgatar o corpo do jovem estudante do ensino médio, Everton Pereira Dutra de 19 anos de idade.

Miguel Alves vai mal

Queria muito começar mais uma semana falando de coisas boas que acontecem lá no nosso Miguelaves. Infelizmente, não temos nada de novo que possa nos alegrar e acreditar que o nosso pedacinho de chão está avançando.  Pois o nosso propósito é sempre falar bem da nossa terra, mas a pauta do dia nos obriga a mostrar fatos negativos. É um lenga-lenga político, uma obra parada, uma praça abandonada, uma avenida mal acabada, uma categoria de servidores revoltada. E por aí vai. Miguel Alves vai mal.

É triste isso, mas é a realidade. A nova gestão faleceu ainda prematura. Miguel Alves está cada vez mais carente de uma gestão pública competente que tenha responsabilidade e compromisso social. Chega dessas gestões movidas pelo improviso, geridas pela ganância de querer tudo pra si e nada pro povo.  Chega! Miguel Alves não suporta mais essa maldade infeliz que só aumenta a cada dia.

Revolta-me muito ver uma categoria tão valiosa como a de professor, da qual me orgulho de fazer parte, ser tão pisada e desrespeitada, sem receber o seu salário em dia. Isto é uma ignomínia, ou seja, uma vergonha pública!

Indigna-me bastante ver escolas como aquela da Sambaíba, símbolo maior da incompetência dos gestores de ontem e de hoje, que tiveram dinheiro e tempo suficiente para construir  naquele lugarejo uma escola decente.

Assusta-me muito as opções que temos nas duas principais alas que polarizam a política local. Seguramente não hesito em afirmar que todas elas possuem os mesmos vícios e as mesmas atitudes e não representam nada de novo para Miguel Alves, até porque já foram do mesmo time e já sentaram na mesma mesa, comendo do mesmo pão.

Pode ser que amanhã apareça alguém, não um “salvador da pátria”, mas um que possa oferecer a Miguel Alves um caminho novo. Quem sabe, pois nem tudo está perdido.

O que parece estranho

Esta semana  li uma matéria no portal 180 graus falando sobre a ação administrativa da prefeitura de Miguel Alves , destacando que na atual gestão já investiu mais de 7 milhões de reais na educação, visando a redução do índice de analfabetismo e melhorar a estrutura do ensino público municipal.

O que me chamou atenção e me parece estranho na matéria é que com todo esse volume de recursos aplicados com a finalidade de melhorar a qualidade do ensino não tenha sido o bastante para solucionar um problema que vem afetando sobremaneira a educação, que é a questão salarial dos professores. É sabido por todos que a atual pisa no pé dos professores, negando-lhes direitos adquiridos e até mesmo atrasando o pagamento de salário, deixando os professores revoltados ao ponto de promoverem manifestações e anunciando greve, exatamente porque até hoje a prefeitura não pagou o mês de setembro.

Pra concluir, gostaria que a prefeita Salete Rego, através da sua assessoria, desse uma explicação plausível, não pra mim, evidentemente, mas para a população de Miguel Alves que a esta altura está a se perguntar:  com tanto dinheiro investido na melhoria da estrutura da educação municipal, por que não ter atenção e respeito ao professor que é quem carrega nos ombros a árdua missão de ensinar?   Por que então atrasar salário e negar direitos adquiridos? Será que seguindo por este caminho a prefeita vai de fato melhorar o nível da qualidade do ensino do município? Tenho a impressão que não.

Sem salário, professores de Miguel Alves protestam

Depois de esperar pelo salário de setembro que até agora não saiu nem tem previsão de quando será pago, pois a prefeitura não se pronuncia neste sentido, os professores da rede municipal de ensino de Miguel Alves, liderados pelo SINDSERM, realizaram uma assembleia geral na manhã desta quinta-feira, 19, para tratar sobre o assunto, na sede do sindicato. Após ampla discussão, os professores decidiram fazer uma manifestação que teve início no sindicato e percorreu as  principais ruas e avenidas da cidade, chamando a atenção da população sobre o descaso da atual gestão com a categoria, tendo em vista que até esta data a prefeitura não efetuou o pagamento do salário referente ao mês de setembro.

Indignados com o atraso no salário de setembro, os professores anunciaram que a partir de segunda-feira, 20, a categoria entrar em greve por tempo indeterminado, conforme nos informou um dos  nossos colaboradores em Miguel Alves. Confira as fotos da manifestação dos professores, enviadas via whatsapp por Heitor da Farmácia:

IMG-20141016-WA0000 IMG-20141016-WA0001 IMG-20141016-WA0002 IMG-20141016-WA0003

Veja os números da segunda pesquisa Datafolha

Foi divulgada no final desta tarde de quarta-feira, 15, mais uma pesquisa de intenções de votos para presidente. Veja a matéria completa da Uol/Folha de São Paulo, edição de 15/10, às 18:47h:

A 11 dias do segundo turno, a disputa pela Presidência da República continua extremamente acirrada, mostra pesquisa Datafolha feita na terça-feira (14) e nesta quarta (15). O senador Aécio Neves(PSDB) tem 51% dos votos válidos, a presidente Dilma Rousseff (PT) alcança 49%.

É um empate técnico, com exatamente os mesmos percentuais de voto válido da primeira pesquisa Datafolha do segundo turno, feita nos dias 8 e 9 deste mês. Nos dois casos, a margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

Em votos totais, Aécio tem 45%; Dilma, 43%. Na rodada anterior, cada um tinha um ponto percentual a mais. Os eleitores dispostos a votar nulo ou em branco oscilaram de 4% para 6%. Os indecisos continuam sendo 6%.

O instituto investigou ainda o grau de decisão dos eleitores. Aécio e Dilma também estão empatados na taxa de convicção: 42% afirmam intenção de votar nele “com certeza”, o mesmo valor para Dilma.

Há 18% que “talvez” possam votar no tucano (eram 22% na pesquisa anterior) ante 15% para Dilma (eram 14%). Já os que não votam em Aécio “de jeito nenhum” são 38% agora (eram 34% no dia 9), enquanto 42% rejeitam votar em Dilma (eram 43%).

O Datafolha ouviu 9.081 eleitores em 366 municípios. O nível de confiança do levantamento é 95% (em 100 pesquisas com a mesma metodologia, os resultados estarão dentro da margem de erro em 95 ocasiões). O registro do estudo no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) é BR 01098/2014.

Editoria de Arte/Folhapress

Ser professor!!

Ser professor hoje em dia não é fácil.  E falar da docência é falar das várias profissões que transpõem e se sobrepõem a esta.

Enquanto professores…
Somos mágicos, ao fazermos malabares com diversas situações que atingem nossa imagem e a vida pessoal.
Somos atores, somos atrizes, que interpretam a vida como ela é, sentimos e transmitimos emoções ao conviver com tantas performances.
Somos médicos, ao receber crianças adoentadas pela miséria, pela falta de tempo da família, pela carência de tempo de viver a própria infância.
Somos psicólogos, ao ouvir as lamentações advindas de uma realidade dura,
que quase sempre nos impede de agir diante do pouco a se fazer.
Somos faxineiros, ao tentarmos lavar a alma dos pequenos,
das mazelas que machucam estes seres tão frágeis e tão heróicos ao mesmo tempo.
Somos arquitetos, ao tentarmos construir conhecimentos, que nem sabemos se precisos, que nem sabemos se adequados.
É só parar para pensar que talvez seja possível encontrar em cada
profissão existente um traço de nós professores. Contudo ser professor,
ser professor (a) é ser único, pois a docência está em tudo, passa por todos, é a profissão mais difícil, mas a mais necessária.
Ser professor é ser essência, não sabemos as respostas.
Estamos sempre tentando. Às vezes acertamos, outras erramos, sempre mediamos.
Ser professor é ser emoção
Cada dia um desafio
Cada aluno uma lição
Cada plano um crescimento.
Ser professor é perseverar, pois, diante a tantas lamúrias
“não sei o que aqui faço, por que aqui fico?”
fica a certeza de que…
Educar parece latente, é obstinação.
Ser professor é peculiar,
Pulsa firme em nossas veias,
Professor ama e odeia seu ofício de ensinar
Ofício que arde e queima
Parece mágica, ou mesmo feitiço.
Na verdade, não larga essa luta que é de muitos.
O segredo está em seus alunos, na sua sala de aula, na alegria de ensinar a realização que vem da alma e não se pode explicar.
Não basta ser bom… tem que gostar.

Texto de Soraia Aparecida de Oliveira professora do Ensino Fundamental, Escola Municipal Nilza de Lima Sales, Brumadinho, MG.

Cadê o salário dos professores, doutora

Eu não consigo entender as razões que levaram a prefeita de Miguel Alves, Dra. Salete Selete Rego a ser tão carrasca com os professores do município, ao ponto de negar direitos adquiridos e até mesmo de retardar o pagamento do salário da categoria. Quem não tem a memória curta lembra que durante a campanha eleitoral de 2012 a então candidata Salete Rego e todos os seus candidatos a vereador defendiam os professores e prometiam fazer uma gestão diferente, tendo a educação como prioridade.

Pois bem, vejo hoje no facebook de alguns colegas professores a reclamação sobre o pagamento de setembro que até esta data não saiu ainda. E o pior é que não há uma data certa, e os professores estão zangados e com toda razão, pois é a sobrevivência deles que está em jogo.

É assim que se prioriza a educação, prefeita, negando direitos e atrasando salários dos professores? O mais interessante é que se um professor faltar por algum motivo não tem perdão, o ponto é cortado mesmo. Já que a prefeitura também falta em não pagar  o salário até o dia 5 do mês subsequente, deveria ser flexível e tolerante.

Pois  é, só pode ser birra, como dizia dona Rosa Vieira lá da Santa Júlia.

A escola da Sambaíba volta a ser destaque na mídia estadual

Assisti neste sábado, 11, no PI TV 2ª Edição, da TV Clube de Teresina, uma reportagem  produzida na localidade Sambaíba, zona rural de Miguel Alves, mostrando mais uma vez vergonhosa situação da denominada Unidade Escolar Nossa Senhora da Conceição onde estudam cerca de 50 alunos e funciona precariamente em uma casa de parede de taipa, coberta de palha e carteiras quebradas. A escola foi construída há 14 anos pelas famílias da comunidade e só ainda não desmoronou por completo graças aos pais de alunos que cuidam dela porque querem que os seus filhos estudam na própria comunidade.

O lado positivo mostrado na reportagem foi o gesto de solidariedade  de um grupo de amigos de Teresina que neste sábado foi até a localidade Sambaíba e proporcionou alegria para as crianças. Lá os integrantes do grupo desenvolveram atividades de educativas e de lazer, distribuíram lanches e presentes para as crianças. O grupo também se sensibilizou com a situação da casa onde funciona a escola e lançou a ideia de construir junto com a comunidade uma escola auto-susutentável, com a implantação de horta comunitária.

A ação desse grupo de jovens é digna de aplausos, ao mesmo tempo que representa um tapa na cara dos prefeitos que governaram Miguel Alves durante os 14 anos de existência da escola, cito: Nonato Pereira, Walter Sá, Oliveira Junior e agora a atual prefeita Salte Rego que está fazendo dois anos de governo.

É inaceitável que ainda exista escolas funcionando precariamente em casebres quando se sabe que todo mês prefeitura recebe dinheiro do FUNDEB para cuidar exclusivamente da educação do município. O problema é que o dinheiro é mal gerenciado e desviado pra outras finalidades.

A situação vergonhosa da escola da Sambaíba deixa claro  a total falta de sensibilidade e de compromisso social, visto que governaram e governam apenas e exclusivamente para atender as suas vaidades pessoas e familiares e  ter Miguel Alves nas mãos pra chamar de seu.

Clique e assista a reportagem

http://g1.globo.com/pi/piaui/pitv-2edicao/videos/t/edicoes/v/grupo-se-reune-e-leva-alegria-para-criancas-carentes-de-escola-de-miguel-alves/3691267/

Eita obra demorada, doutora.

A reforma da praça José Rego, de acordo com o projeto aprovado pela Caixa Econômica Federal, teve início em novembro/2013.  O valor do convênio firmado entre prefeitura e Caixa foi de R$ 188.810,07.

Efetivamente a obra só começou mesmo em março deste ano, durante o carnaval, quando passaram o trator pra destruir os canteiros, escapando só o coreto. De lá pra cá a obra ficou naquele talvez vá, talvez não vá, anda e pára que nem carro velho. E a população, que quer ver a sua praça pronta para os passeios noturnos, fica indignada com tamanho atraso, pois já se passaram praticamente oito meses e a obra ainda está pela metade.

Diante dessa incômoda lerdeza, convém perguntar, afinal, perguntar não ofende, o que ofende mesmo é o visível descaso que a atual administração está promovendo no município e que merece o repúdio de todos. Quando é mesmo, prefeita Salete Rego que o povo de Miguel Alves vai ter de volta a sua principal praça, pronta e preparada para usufruí-la, como fazia antes? Aliás, o estado atual da praça prejudica sobremaneira os estabelecimentos comerciais que ficam no entorno dela, principalmente os bares e pizzaria que reúnem grande número de pessoas.

Veja as fotos da situação atual em que se encontra a obra.

SAM_2227
Placa mostrando os detalhes do convênio – origem,  objetivo e valores dos recursos, agentes participantes e início da obra.
SAM_2232
Alguns canteiros e passeios laterias e centrais já estão prontos, porém ainda falta muito a ser feito, conforme se pode observar nas fotos.

SAM_2233

SAM_2237

SAM_2241

Quem ganhou e quem perdeu?

Mesmo sendo uma eleição geral, sem aquele acirramento localizado que leva o eleitor a se envolver intensamente na disputa, as eleições deste ano em Miguel Alves para o governo do estado, senador e para deputado estadual, mostraram que a prefeita do município saiu perdendo na disputa. Ela apoiou a reeleição do governador Zé Filho e a candidatura de Wilson Martins para o senado e não conseguiu dar maioria para os dois candidatos majoritários. Ressalte-se também que a prefeita não votou sozinha na chapa governista. Outros políticos também estavam no mesmo barco.

Já na disputa proporcional, para deputado estadual, o candidato apoiado pela prefeita Salete Rego, deputado Luciano Nunes (PSDB) teve cerca de 1.700 votos, portanto, andou foi longe de chegar perto da votação obtida pelo ex-prefeito Oliveira Junior que foi candidato a deputado estadual pelo PTB e teve mais de seis mil votos.

Tá certo que na disputa Oliveira Junior levou vantagem pelo fato de ser filho de Miguel Alves. Este motivo por si só contribuiu sobremaneira para que ele tivesse a preferência da maioria dos eleitores miguel-alvenses. E foi o que aconteceu.  Alguns entusiasmados seguidores acham que mesmo não sendo eleito o ex-prefeito saiu bem na fita e fortalecido para o embate de 2016.

Bom, mesmo ainda distante da eleição municipal de 2016, há quem veja o resultado dessa eleição como um recado das urnas, direcionado principalmente para o grupo político da atual prefeita que hoje já não é mais o mesmo de 2012, tendo em vista que alguns vereadores e outros políticos do grupo e vice-prefeito Chibança estão praticamente rompidos com a prefeita, segundo corre à boca miúda. Mas há quem diga também que cada eleição escreve uma história diferente.

O certo é que  ainda temos um longo caminho pela frente, e até lá muita coisa pode acontecer, “inclusive nada.”

A voz das urnas em Miguel Alves

Depois de  uma campanha marcada por muita zoada veio então o eco das urnas em Miguel Alves. Algumas expectativas se confirmaram, como por exemplo, a vitória expressiva da presidente Dilma sobre os seus dois principais concorrentes, Aécio Neves e Marina Silva. A petista teve 12.586 votos, contra 1.758  de Marina Silva  e 1.299 do candidato tucano Aécio neves. Um resultado já esperado, diga-se de passagem.

Para governador também se confirmou aquilo que as pesquisas apontavam, ou seja, vitória do candidato do PT Wellington Dias, que obteve 9.054 votos, contra  5.671 votos dados ao governador Zé Filho, candidato à reeleição que contava com o apoio do grupo político da prefeita Salete Rego (PSD), do vice-prefeito Chibança (PMN), de liderança do PMDB municipal e do PSB. Mesmo assim a vitória do candidato petista foi expressiva.

No tocante à eleição de deputado estadual o candidato Oliveira Junior (PTB) foi o mais votado com 6.086 votos, mas a votação alcançada não bateu com a expectativa dos seus apoiadores, que esperavam uma votação em torno de oito a dez  mil votos no município, que somados aos votos de Teresina e de outros municípios onde o candidato era votado,   chegar à casa dos vinte mil votos e assim  entrar na briga por uma das 30 vagas na Assembleia Legislativa.  Entretanto, a votação geral de Oliveira Junior foi de 8.762 votos.

Já para senador, havia uma expectativa de que o candidato Wilson Martins (PSB) ganhasse a eleição no município, tendo em vista que foi um governador que fez obras importantes em Miguel Alves. Porém, os eleitores  miguel-alvenses decidiram votar em Elmano Ferrer, candidato da coligação oposicionista, que obteve 7.482 votos contra  6.756 votos dados ao ex-governador.

Vale salientar que não é primeira vez que isso acontece em Miguel Alves. Pra quem não sabe ou não lembra, em 1978 na disputa por uma vaga no senado entre o ex-governador Dirceu Mendes Arcoverde e Alberto Silva aconteceu a mesma coisa. Dirceu Arcoverde foi o governador que mais trabalhou por Miguel Alves. Asfaltou a PI 112 de União a Miguel Alves, construiu hospital Pedro Vasconcelos, levou telefone pra cidade através da TELEPISA, construiu o sistema de abastecimento de água da cidade, na época com capacidade pra 600 ligações domiciliares, além de outras obras no campo da educação.

Quando Dirceu Arcoverde deixou o governo para se candidatar a senador  todos diziam que em Miguel Alves ele teria uma votação expressiva, tanto pelas obras que fez no município quanto pelo apoio do grupo político do então prefeito Jesus Rego  e de outras liderança  políticas locais. Mas a voz das urnas naquela eleição ecoou diferente e Dirceu perdeu a eleição em Miguel Alves por seis votos para então candidato a senador Alberto Silva que no município recebeu de última hora o apoio do ex-refeito Dr. José Antonio Rebelo, do ex-vereador José Maria de Sousa Neto e de   alguns amigos. O resultado deixou muita gente no caldo de pinto. Depois de tanto tempo a história se repete.

São as surpresas das urnas, muitas vezes difíceis de serem entendidas e digeridas, mas que não podem jamais serem ignoradas pois elas aqui e acolá acontecem.