Todos os posts de Assis Dutra

Seriedade e respeito naquilo que faz

Miguel Alves celebra o seu Padreiro São Miguel Arcanjo

Os miguel-alvenses estão contando as horas que os separam dos festejos de São Miguel Arcanjo, e celebrar com alegria e muita fé o padroeiro do município. O primeiro ato – o levantamento do mastro -e um indiscutivelmente um momento marcante, que faz parte da tradição da cidade. Milhares de pessoas acompanham o traslado do mastro pelas principais ruas e avenidas da cidade, cantando e rezando com emoção e muita fé.

1231208_388296757965000_207054059_n
Fotos de reprodução/facebook

Veja a programação de abertura dos festejos que começa nesta sexta-feira, dia 19 de setembro:

10625067_528512830614862_8699237771166297047_n

Durante as nove noites fiéis de todos os lugares, da cidade e da zona rural do município e de outros municípios vizinhos lotam a igreja matriz de São Miguel Arcanjo acompanhando a celebração religiosa. Após as novenas, a movimentação é na barraca de São Miguel onde são realizados os leilões. Na baixa, concentração de pessoas é intensa durante as nove noites, nas barracas, nos salões de festa e no parque de diversões.  São noites inesquecíveis vividas pelos filhos de Miguel Alves, muitos deles que moram fora, mas fazem questão de passar os festejos de São Miguel na terrinha para vivenciar uma das maiores festas religiosas da região.

???????????????????????????????

Esperamos que este ano tudo transcorra na mais perfeita harmonia. Que todos participem com fé e alegria dos festejos do nosso Padroeiro. Que São Miguel Arcanjo proteja a todos e que Miguel Alves viva um momento de paz, alegria e muita fé.

???????????????????????????????

Pesquisa Ibope para presidente – veja os números

 

37650ae20ac70a293f4be7b2b6fe4874b51a3a3b

Pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (16) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto na corrida para a Presidência da República:
Dilma Rousseff (PT): 36%
- Marina Silva (PSB): 30%
- Aécio Neves (PSDB): 19%
- Pastor Everaldo (PSC): 1%
- Zé Maria (PSTU): 0%*
- Luciana Genro (PSOL): 0%*
- Eduardo Jorge (PV): 0%*
- Rui Costa Pimenta (PCO): 0%*
- Eymael (PSDC): 0%*
- Levy Fidelix (PRTB): 0%*
- Mauro Iasi (PCB): 0%*
- Branco/nulo: 7%
- Não sabe/não respondeu: 6%

Segundo turno
O Ibope também simulou três cenários de segundo turno. São eles:

- Marina Silva: 43%
– Dilma Rousseff: 40%
– Branco/nulo: 11%
– Não sabe/não respondeu: 6%

- Dilma Rousseff: 44%
– Aécio Neves: 37%
– Branco/nulo: 12%
– Não sabe/não respondeu: 6%

- Marina Silva: 48%
– Aécio Neves: 30%
– Branco/nulo: 15%
– Não sabe/não respondeu: 8%

O Ibope ouviu 3.010 eleitores em 204 municípios do país entre os dias 13 e 15 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de dois pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-00657/2014.

Rejeição

De acordo com a pesquisa, a presidente Dilma tem a maior taxa de rejeição (percentual dos que disseram que não votam em um candidato de jeito nenhum). Nesse item da pesquisa, os entrevistados puderam escolher mais de um nome.

- Dilma Roussef: 32%
– Aécio Neves: 19%
– Pastor Everaldo: 17%
– Marina Silva: 14%
– Levy Fidelix: 12%
– Zé Maria: 12%
– Eymael: 11%
– Luciana Genro: 11%
– Mauro Iasi  : 10%
– Rui Costa Pimenta: 10%16.09_pesquisaibope_versao_grande (1)
Fonte: G1

 

Perguntar não ofende

sam_1030jpg1383838919Nos próximos dias Miguel Alves começam os festejos de São Miguel Arcanjo, padroeiro de Miguel Alves. Um dos maiores e mais tradicionais festejos da região, que atrai milhares de romeiros de várias cidades do Piauí, do Maranhão e até de outros estados.

Como estará a cidade de Miguel Alves durante os festejos de São Miguel Arcanjo? O serviço de limpeza pública vai funcionar plenamente? A iluminação pública será restaurada? E o policiamento será reforçado para que o cidadão se sinta protegido? Será que a AGESPISA e a ELETROBRAS vão oferecer serviço de qualidade para que a cidade não passe pelo sufoco da falta de água e de energia elétrica? E a obra da Avenida Marcos Furtado, na entrada da cidade, vai ser concluída e o trecho asfaltado até o final de setembro? Parece que vai, pois acabo de  receber fotos que mostram que já estão asfaltando o trecho da avenida.  Bravo! Salve, Salve São Miguel Arcanjo!

10660261_637116483073781_518469799325745594_n
Foto: Facebook/Heitor  –   trecho da avenida Marcos Furtado começa a ser asfaltado

E o tal de rodoanel vai sair também? Segundo se sabe são obras  do governo do estado em parceria com prefeitura. O DER prometeu entregar em setembro, mas talvez tenham esquecido de dizer de qual ano.

E mais! Quando será concluída a reforma da Praça José Rego? Afinal já se passaram sete meses e a obra não anda. Qual é o motivo prefeita? E por falar em praça, será quando é que prefeita Salete Rego vai conseguir ver que em frente a casa dos seus pais tem uma praça que leva o nome do seu avô paterno (Helvídio Medeiros) totalmente abandonada, servindo de pasto para animais?

Pois é, pelo andar da carruagem, os visitantes vão se deparar mais uma vez com uma cidade cheia de problemas, vão ver as pessoas externando as suas insatisfações diante do marasmo administrativo que se verifica n Terra do Arcanjo.

Perguntar não ofende. O que ofende é a falta de compromisso com o município. E a bem da verdade, Miguel Alves vive esse drama faz muito tempo. Tal situação atual me faz lembrar de uma frase dita e repetida pelo senhor Araujão nos seus animados discursos proferidos nos comícios do PMDB em 1988: “SOU CANDIDATO A VEREADOR PORQUE ESTOU À PROCURA DE UM DMINISTRADOR PARA UM MUNICÍPIO ABANDONADO.

 Falar a verdade também não ofende, né?

Confira a programação dos festejos de São Miguel Arcanjo – de 19 a 29 deste mês

994929_597313653660972_165936007_n“Salve Salve São Miguel, nosso amigo padroeiro e protetor.” O povo de Deus de Miguel Alves abre o seu coração para receber a todos com paz e alegria  durante os festejos do nosso Padroeiro. Participe!!

Os festejos de São Miguel Arcanjo, padroeiro de Miguel Alves, começam no próximo dia 19, sexta-feira, com uma vasta programação de abertura que tem início às 5:00 h com o repicar dos sinos, seguido da oração de abertura, passeio ciclístico pelas ruas da cidade. Após o passeio será servido o café da manhã na igreja matriz, às 10:00 h haverá confissões, às 11:00 h adoração ao santíssimo, às 12:00 h celebração da Santa Missa na igreja matriz, às 17:00 h, traslado do mastro de São Miguel  e às 18:00 h, missa campal no espaço cultural da praça da Matriz.

10625067_528512830614862_8699237771166297047_n

A partir de sábado, dia 20, até o dia 28 serão celebradas as novenas de São Miguel Arcanjo na igreja matriz, tendo como celebrantes os padres Delcimar Santos e Jailton Pinheiro. E todas as noites após as novenas serão realizados leilões na barra de São Miguel, tendo como noitantes  comunidades da zona rural  e da cidade, bem como jovens, Focolares,  STTR, vaqueiros, Gráfica e Editora Cidade Verde, dizimistas, comerciantes, visitantes das cidades de União, Lagoa Alegre e Duque Bacelar-MA, transportes e alternativos e filhos ausentes.   No dia 29, segunda-feira, será o encerramento dos festejos, com a celebração da missa dos viajantes e dos romeiros e a procissão de São Miguel Arcanjo pelas principais ruas e avenidas de Miguel Alves.

Confira a programação e noitantes:

10390905_528512927281519_7985105455064435110_n (1)

4ª edição: bravos miguel-alvenses buscam a vida em terras distantes

Dando sequência à serie de artigos sobre os bravos miguel-alvenses que buscam a vida em terras distantes, reafirmando o nosso propósito de enaltecer o destemor desses irmãos nossos, que são muitos e estão espalhados por este Brasil à fora, construindo em busca dos seus sonhos. Destacamos nesta edição:

10372735_649892565107052_3478819273584226209_nEdivaldo Pereira da Silva: é mais mais dentre tantos outros miguel-alvenses que tiveram de deixar o torrão natal levados pela necessidade de buscar uma oportunidade, encarando duros momentos de incertezas até poder sentir que a investida enfim, tinha dado certo. “A vida lá fora me fez carregar nos ombros não apenas uma abóbora, mas o fardo da responsabilidade familiar.  Não foi fácil, mas, consegui”, diz  Edivaldo que detalha como foi a sua luta em terras distantes: “Deixei Miguel Alves, em 21 de janeiro de 1993, após quase 32 anos de vida na terrinha, já casado com a também Miguel alvense, Elisieux Rebelo, hoje, moramos há 21 anos em Manaus-AM.  No inicio nada foi fácil, trabalhei como porteiro, vigilante, inspetor de segurança, zelador de condomínio, depois, mudei, passei a trabalhar no seguimento farmacêutico como balconista, gerente de drogaria, mais tarde passei anos trabalhando como  licitante em pregoes licitatórios junto aos governos do Amazonas, Roraima, Acre e Porto Velho. Hoje, trabalho como supervisor de uma grande distribuidora de medicamentos e perfumaria em Manaus, empresa japonesa com mais de 45 anos no mercado. Consegui realizar muitos sonhos, filhos bem encaminhados na vida, são três, Eisenhower, Patrícia e Matheus, dois netos, Enzo Gabriel e Maria Clara. A saudade de Miguel Alves bate assim como o coração, todo o dia lembro-me da terrinha, embora sentindo certa decepção por ver que a cidade e nosso povo continuam vivendo em situação de dificuldades, mesmo com a evolução apresentada nestes anos todos, mas é pouco diante do que se poderia ter conseguido. Toda vez que chego a uma cidade do interior do Amazonas, encravada no meio da floresta, onde as dificuldades podem até ser as mesmas, mas, são bem organizadas, mais estruturadas, tudo vai ou vem de barco, as dificuldades são imensamente maiores do que se poderia imaginar em relação as daí. Nota-se a falta de vontade política e  verdadeiramente lutar pelo melhoramento, principalmente na área de infraestrutura da cidade, tudo que se começa a fazer cria-se uma incerteza muito grande do: Será que sai? Em fim, a gente sofre muito com isso. Dizer que não volto e já até disse tempos atrás, hoje já ando mais comedido em relação a isso, mas, só o futuro certamente dirá.  Tenho aí a base de minha família D. Chiquinha Viúva (mãe), Lourdes Silva e Gracinha (irmãs) Zé Francisco (sobrinho/irmão), toda família de minha esposa. É prazeroso poder chegar aí e rever os amigos, jogar conversa fora, visitar os familiares, é muito bom, como  gosto de ir aí levando toda a família e isso custa muito caro, só dar pra ir a cada dois anos, mas, vale a pena. Que Deus, continue a permitir que São Miguel Arcanjo, esteja sempre a proteger todo este meu povão querido. Aproveito este espaço maravilhoso, criado de forma muito inteligente, para abraçar todos os irmãos, filho da terra dos babaçuais, que continuam aí, como também os que estão espalhados por todo este Brasil. Forte abraço a todos!!!”

OLYMPUS DIGITAL CAMERAJoão de Deus Souza – filho de dona Chiquinha Viúva, tendo como irmãos, Lourdes, Gracinha, Elisa e Edivaldo Silva. João relata a sua saída de Miguel Alves: “saí de Miguel Alves muito jovem, menino ainda, sempre tive vontade de trabalhar vencer na vida, nunca me conformava em ficar aí sem ter oportunidade, tanto que na época, lá no final dos anos 70, na faixa dos 14 anos, mamãe conseguiu com o Juiz da comarca uma autorização especial para que na prefeitura eu conseguisse a emissão de  minha carteira de trabalho, assim fui parar na Bahia, morar com meu cunhado que trabalhava na empresa E I T, que fez o asfaltamento da PI 112, Teresina – Miguel Alves, ele foi transferido para lá e eu fui junto. Retornei anos depois e em pouco em tempo rumava para Tucuruí-PA, com meus irmãos Chico Zezim (in memorian)  e Edivaldo Silva, que tinha acabado de sai do exercito,  depois, em abril de 82, vim para Manaus, onde resido até hoje, constitui família, casado com a Amazonense, Edinete Magalhães, temos três filhos e  depois de muitos anos de luta, trabalhando como soldador especializado, hoje tenho minha própria empresa no seguimento de manutenção industrial gerando emprego a muitos trabalhadores, atendendo grandes empresas no distrito industrial da zona franca, como Honda, Samsung, Petróleo Sabbá, Coca Cola e outras. Passei 25 anos, para retornar a Miguel Alves, nos últimos anos tenho ido com mais frequência. Reencontrar grandes amigos que ficaram aí, é muito legal, sinto saudades, mas não sei se um dia posso retornar, a vida me deu outro rumo, mas quem sabe um dia, nunca devemos dizer que jamais poderemos voltar. Lembro-me das tardes em que se jogava bola na baixa da Camboa, no campo do racha peito, as brincadeiras em volta da igreja matriz, na praça Jose Rego, os festejos de São Miguel Arcanjo, em setembro, ir buscar água no rio Parnaíba, era muito legal, pela convivência que se tinha entre todos. Aos amigos, meu abraço e o desejo de que todos sejam felizes e que continuem lutando”.

Cópia de DSC00900

Robert Sousa Andrade - Nascido em Miguel Alves, filho de Antonio Ramos de Andrade ( Didi ) e Maria Adécia Costa de Sousa. Fui alfabetizado na Escola Mariazinha Rabelo e fiz o fundamental no Mariano Mendes, daí saí de casa com16 anos pra estudar no Colégio Agrícola de Teresina (CAT/UFPI), onde considero o ponto de partida para a vida q tenho hoje, terminado o curso técnico em agropecuária, voltei para Miguel Alves, por lá consegui trabalho em uma cooperativa que prestava serviço para a única empresa da área de agronegócio da cidade,  terminando contrato, prestei vestibular para engenharia agronômica na cidade se União, cursei apenas 3 períodos, pois não tinha condições financeira de manter o curso, acabei desistindo, e em 2004 fui para a cidade de Magalhães de Almeida MA, trabalhar em uma empresa de assistência técnica para Irrigantes dos tabuleiros de São Bernardo do ( DNOCS) Departamento Nacional de Obras Contras As Secas, cidade onde encontrei a mulher que hoje é minha esposa senhora Arlene da Silva Sousa, mãe do meu sucessor Robert Sousa Andrade Junior.  Dois anos depois volto pra Miguel Alves onde passei por dificuldade, sem opções de trabalho, quando der repente Deus abre as portas e bota um companheiro de trabalho em minha frente o também técnico agrícola José Ricardo, que  me convidou pra vir para o sul do Piauí, onde ele já trabalhava um bom tempo.  Aceitei o convite, isto em  julho de 2008, hoje estou com 6 anos aqui, cheguei ganhando na época R$ 900,00, Hoje meu salário mais que quadruplicou, graças a Deus em primeiro lugar.  Hoje posso dizer que estou conquistando a o sempre almejava.  Trabalho no grupo RISA S/A, sou coordenador de agricultura, a empresa planta hoje 55 mil há entre de soja, milho, sorgo, e milheto.  Visito Miguel Alves duas vezes por ano.  Não tenho planos de morar em Miguel Alves, pois durante esses 6 anos que estou aqui conquistei minha estabilidade, hoje tenho carro, moto  e estou comprando um apartamento em Teresina, e o sucesso continua aqui em Uruçuí.

 10706403_507386109364280_1630298154_nJosé Nascimento Alves…filho do Sr. Francisco Alves Filhos, conhecido por mestre chico alfaiate.(já falecido) e dona Maria da Conceição sou hoje casado com Venina Rosa de oliveira. “Sai de Miguel Alves em 2004, para tentar uma vida melhor, mas o principal motivo foi não concordar e nunca aceitar a dependência politica que a população miguel-alvense convive. Hoje eu moro em Hortolândia – SP.  No inicio foi muito difícil, tive que suportar o preconceito, porque todos nordestino passa por isso. Como todo bom miguel-alvense que gosto da cultura do meu Miguelaves menos a politica . As nossas lideranças politica de miguel alves,  por Exemplos: quem votava no PFL ou PMDB até no hospital Pedro Vasconcelos do meu lindo miguelaves com eu gosto de chamar, você do PMDB não podia s e consulta e quando consegui a consulta era o ultimo da fila. No ano de 2013 eu foi visitar minha mãe e meu irmão que mora aí em dezembro eu houvi a porca ainda gritar, em provocações a o outro partido politico. Aqui e SP não é assim acaba a votação os políticos ligam para o outro agradecendo sua vitória, os jornais locais mostra isto. Quando eu morava em Miguel Alves eu trabalhava na roça , terminei o ensino médio com muito sacrífico. O meu 1º emprego foi nos campos da COMVAP, como trabalhador braçal nos plantio e corte de cana-de-açúcar lá também exerci outro cargo 3 auxiliar de almoxarifado por que eu tinha o ensino médio.  Chegando em SP eu trabalhei de ajudante de pedreiro, cobrador de ônibus coletivo em Campinas onde morei por 5 anos, depois trabalhei de porteiro e gostei. Fiz vários cursos na área de segurança privada e hoje eu trabalho em rastreamento de veículos via satélite na empresa ENGESEG MONITORAMENTO COMPUTADORIZAS.  Esta empresa tem cliente no Piauí… Graças a DEUS hoje não pago mais aluguel tenho meu apartamento. Hoje eu posso dizer que venci, pois vivo uma vida de muito trabalho mas tranquila. Hoje eu não tenho planos de voltar, pois constitui família aqui e não sei se ela se adaptaria na minha região, mas o dia de amanhã a Deus pertence, não posso dizer que desta água não beberei. Sou um dos bravos Miguel-alvense em busca dos meus sonhos….

Em duas cidades, Hortolândia e Louveira, no estado de São Paulo, moram hoje dezenas de miguel-alvenses. Uns já com residências fixas, outros passam por lá uma temporada em função das oportunidades de trabalho alcançadas. Louveira e Hortolândia estão distantes, porém, para os miguel-alvenses que nelas habitam, são como duas  de Vila Miguel Alves. Veja mais uma lista de miguel-alvenses que hoje moram e trabalham nas duas cidades paulista.

  1. Daxinha – Hortolândia;
  2. 2.Raimunda Gomes – Hortolândia-
  3. Aurilene Oliveirra (recem chegada ) Hortolândia
  4. Helder Rodrigues – Rio das Ostras
  5. Eliomar Oliveira – São Paulo
  6. Marcelo Duarte – Louveira
  7. Francisca Cleia do Nascimento – Louveira
  8. Laene Mendes – Louveira
  9. Francisca Oliveira de Melo – Louveira
  10. Fabio Junior – Louveira
  11. Gabriel Costa – São Paulo – capital
  12. Willames Gomes da Silva – Louveira
  13. Cesar Mendes – Louveira
  14. Claudia Oliveira – Louveira
  15. Domingas Silva – Louveira
  16. Antonio Estevam – Louveira
  17. Vanusa Regina – Louveira
  18. Manoel Silva – Louveira
  19. Felipe Gonçalves – Hortolândia
  20. Francisca Torres – Hortolândia
  21. Lucivane Melo – Louveira

Com esta 4ª edição concluímos a série intitulada Bravos miguel-alvenses buscam a vida em terras distantes. Uma ideia que muito bem recebida pelos miguel-alvenses, sobretudo por aqueles que estão distantes e que de certa forma se sentiram lisonjeados  pela iniciativa do Blog em contar um pouco a vida desses bravos conterrâneos, muitos deles saídos lá da zona rural de Miguel Alves, como disse na primeira edição,sem nome e sem fama, mas com a fé e a coragem de vencer lá fora, deixando para trás o aconchego da família e o seu torrão natal. Devo dizer que por falta de contato não foi possível discorrer um pouco sobre história de vida de todos que estão fora de Miguel Alves, apesar do esforço que fiz, usando as redes sociais (facebook, whatsapp). Muitos foram contactados, porém, por decisões que respeito e compreendo, não quiseram aparecer na série.

Portanto, ao finalizar este trabalho quero agradecer a todos que aceitaram  participar da série, e ao mesmo tempo dizer que a ideia, além de enaltecer a bravura dos nossos irmãos, serve também como um alerta político para os próximos gestores de Miguel Alves, que precisam pensar uma política diferente, ter uma visão empreendedora capaz de atrair investimentos que gerem oportunidades de trabalho no município, evitando assim a debandada de jovens que sem horizontes na terra-mãe todos os anos vão em busca de trabalho lá fora. Em terras distantes.

Hoje os nossos irmãos que distantes estão, jamais hão de esquecer o solo amado, porque o coração de cada acusa um pulsar forte de amor e gratidão à terra-mãe. Hão de soltar a voz e dizer “minha terra está distante, mas tenho saudade no coração. Fechando os olhos parece que ainda estou pisando naquele chão.” A incerta da ida, a oportunidade conseguida torna o pranto em alegria, ao mesmo tempo em que se renova a esperança  de à terra querida retornar um dia.

Ponto de vista – isto é Brasil!!

Agora virou moda. Todos os políticos denunciados por envolvimentos em falcatruas, seja no âmbito administrativo ou eleitoral, apegam-se a o verbo NEGAR, usado na primeira pessoa do modo presente do indicativo – EU NEGO, para dizer que não têm nada a ver com o caso. Quando há uma certa dificuldade de usar este verbo, eles apelam para o uso de outro verbo – SABER – com o qual criam frase de efeito, conjugando-o no pretérito imperfeito do indicativo usando a partícula negativa Não – “EU NÃO SABIA.”

É assim que eles se livram e continuam pousando de bons moços da nossa inquestionável república da corrupção. E nesse jogo do EU NEGO e o EU NÃO SABIA, o tempo se vai, o povo aos poucos vai acreditando mesmo que eles estão certos. Que são honestos e até heróis nacionais. E a roubalheira continua. Um novo caso é orquestrado. Isto é Brasil!. Tá RUSSO, RENATO, mas este o Brasil que você questionou tanto nos palcos: “QUE PAIS É ESSE?”

Corrupção, violência, pessoas morrendo nas filas dos hospitais, educação com índices vergonhosos, desajuste na economia… e os políticos fazendo a festa, roubando e negando tudo,  enquanto povo fica na praça dando milho aos pombos.

Miguelaves de fato

Inicio da recuperação de trecho da avenida Marcos Furtado. Foto de J. A. Martins, em 19/08//2014
Inicio da recuperação de trecho da avenida Marcos Furtado. Foto de J. A. Martins, em 19/08//2014

Fiquei sabendo… 

Que ainda nem asfaltaram o trecho da avenida Marcos Furtado, cuja obra foi iniciada há 21 dias  e está parada, pois não é que já estão com as máquinas trabalhando lá no falado rodoanel, na avenida São Miguel. Deveriam concluir uma pra depois começar a outra, mas no Miguelaves é assim, passam o tempo todo embromando e nada fazem, e quando se metem a fazer querem fazer tudo de uma vez só. que façam pelo menos uma.

Tem candidato demais… 

Em Miguel Alves pode faltar outra coisa, mas não candidato a deputado. Além dos dois candidatos da cidade, Oliveira e Frederico, tem um monte de candidatos de fora apoiados pelas lideranças políticas locais. Contando nos dedos podem ter a certeza de que são mais de 10, só pra estadual, isso sem falar nos candidatos a deputado federal. De uma coisa é certa, pelo menos muita zoada de som vai ter, principalmente durante os festejos de São Miguel Arcanjo. E tem muito nego lavando a burra. Como dizia Dona Rosa Vieira lá da Santa Júlia, “curdiacho!”

Esperança perdida…

Se o eleitor de Miguel Alves ouvir e acreditar nas promessas de um certo candidato  a governador é porque gosta mesmo de se enganar, pois em outras eleições o candidato não prometeu nadinha, só o asfalto para o centro da cidade e a estrada de Miguel Alves a Porto. Prometeu, mas não conseguiu um palmo de pincho como costuma chamar os mais velhos. “Nem o melo nem a cabaça”, como dizia Dona Rosa Vieira.  A única obra feita e mal acabada foi a ETA da AGESPISA, mesmo assim o reservatório construído de tão bem feito que foi, na primeira que encheu, furou o fundo. Discunfuro!

Reforço na segurança…

Tá precisando! O policiamento de Miguel Alves precisa ser reforçado durante os festejos de São Miguel Arcanjo, pois é um período que Miguel Alves recebe muita gente de fora, e entre elas invariavelmente aparecerem àqueles indivíduos que só vão pra roubar, assaltar e promover arrombamentos nos estabelecimento comerciais da cidade e da zona rural. Policia! Os festejos de São Miguel Arcanjo começam no dia 19, com o tradicional levantamento do mastro. E só  três soldados não dão conta do recado não.

E por falar em festejos… A igreja de São Miguel está linda

10580200_715279121879202_355913240483745549_n (1)A igreja matriz de São Miguel Arcanjo está muito bonita depois que passou por uma reforma. Chama atenção de quem chega em Miguel Alves, pois a sua beleza é vista ao longe. De parabéns os párocos de Miguel Alves e toda comunidade católica que se engajou para deixar a nossa igreja matriz bonita. Tomara que os desocupados não estraguem a beleza da igreja, riscando ou pinchando as paredes. Tomara também que a prefeitura faça a sua parte, melhorando a iluminação pública das ruas da cidade, cuidando bem da limpeza pública e tome outras providências que a cidade reclama.

E a banda Santa Cecília vai passar?

bandaComo perguntar não ofende, e se alguém se sentir ofendido, tanto faz, pois  a verdade tem de ser falada e não vale nada se enganar, será que este ano a bandinha Santa Cecília vai estar presente nos festejos de São Miguel Arcanjo, animando os leilões, tocando trovas de amor, como dizia Chico Buarque?  Tomara que este ano ano a prefeita se lembre dos tempos em que os seus tios valorizavam e prestigiavam a bandinha. Os bons exemplos precisam ser copiados e quem tem cultura não apaga a história de uma cidade centenária. Mas no Miguelaves a cultura que prospera mesmo é a do atraso. Atraso saindo, atraso voltando, povo reclamando, o município penando. neguim se arrumando, engrossando a titela e o rombo ficando pro povo pagar.

 

 

Delenda Marina

Artigo de Merval Pereira, colunista do Globo e comentarista da CBN e Globo News. Leia:

Se fosse possível definir em uma frase esta etapa da campanha eleitoral para a Presidência da República, ela seria uma adaptação da famosa frase de Catão “Delenda Cartago”, instando que a cidade de Cartago, que disputava com Roma a liderança política e econômica da época, fosse destruída.

Pois “Delenda Marina” é a frase que move as campanhas de Dilma e Aécio Neves, com estratégias distintas, mas com o mesmo objetivo. Dilma sabe que hoje sua principal rival é a ex-senadora petista, e quer, no mínimo, vê-la chegar ao 2º turno debilitada. Já Aécio busca recuperar o segundo lugar na disputa para ir ao segundo turno com chances de vitória. Sua campanha está convencida de que quem for para o segundo turno com Dilma vence a eleição, ainda mais agora com os novos escândalos na Petrobras.

A campanha de Dilma tem sido de uma agressividade reveladora, pois não tem pruridos em explorar até mesmo contradições que não existem, como o suposto menosprezo do programa de Marina pelo pré-sal. Não há nada no programa que indique isso, mas o PT é especialista em criar fantasmas, tática do medo que esteve na raiz de campanhas contra o próprio Lula em 1989 e hoje é usada por seus aliados sem o menor constrangimento.

Collor, hoje aliado político, espalhou boatos contra Lula: ele iria confiscar a poupança, ideia que o próprio Collor tornou realidade depois de eleito. Os apartamentos dos ricos seriam divididos com os pobres. E por aí vai. Hoje, o PT não tem vergonha de comparar Marina ao Collor de 89, embora o Collor de 2014 seja de sua base de apoio no Congresso. E repete a velha e vil manobra de acusar Marina de querer privatizar a Petrobras, que já deu certo em 2006 contra Geraldo Alckmin.

Desta vez, o efeito tende a ser menor, pois, além de a acusada ser uma política oriunda do petismo e da esquerda, os problemas da Petrobras estão justamente na “privatização” branca da estatal feita pelos petistas e partidos aliados, que gerou uma série de escândalos de corrupção cuja investigação em curso ainda deve dar muito o que falar.

Os vazamentos dos depoimentos do ex-diretor Paulo Roberto Costa, retirado de uma “geladeira” na companhia para, durante 8 anos de gestão petista com Dilma Rousseff à frente da área de energia, capitanear um mega esquema de corrupção para financiamentos de partidos políticos, estão reafirmando a face mais perversa dessa “velha política” que o PT aprofundou ao chegar ao poder.

Por duas vezes, aliás, essa prática foi admitida implicitamente pela própria presidente Dilma, ontem na entrevista ao “Estadão”, e pelo ministro Gilberto Carvalho. A presidente disse: “Se houve alguma coisa, e tudo indica que houve, eu posso te garantir que todas, vamos dizer assim, as sangrias que eventualmente pudessem existir estão estancadas”.

Já o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, elaborou uma tese sobre o caixa dois das campanhas: “Enquanto houver financiamento empresarial de campanha e a campanha se tornar momento de muitos ganharem dinheiro e movimentar muito recurso, quero dizer que não há quem controle a corrupção enquanto houver este sistema eleitoral. E isso é com todos os partidos, não há, infelizmente, nenhuma exceção”.

Os dois, portanto, tentam reduzir a importância do que acontece nas entranhas do governo, da mesma maneira que Lula tentou relativizar o mensalão dizendo que era uma prática que “todo mundo faz”.

Já Aécio, que andou batendo forte em Marina a ponto de ter provocado nas hostes da adversária a advertência de que a possibilidade de acordo num segundo turno e num futuro governo estava comprometida, vai calibrar a pontaria mais em Dilma do que em Marina na questão da Petrobras, na certeza de que “esse escândalo é dela”.

Marina, envolvida nessa trama indiretamente devido à citação do falecido governador de Pernambuco Eduardo Campos, vai continuar sendo atacada na alegada inexperiência e nas contradições de seu programa de governo “porque nós precisamos ganhar a eleição”.

Na avaliação da campanha de Aécio, deixar que só a presidente Dilma ataque Marina seria abrir mão de disputar a vaga no segundo turno a favor de Marina, em busca de um acordo futuro.

Mesmo não prescindindo desse eventual acordo, Aécio não pretende abrir mão da chance que vê de retomar a disputa presidencial, na esperança que um segundo turno será especialmente difícil para a presidente Dilma, diante das informações sobre o esquema de corrupção que devem circular nesses próximos 45 dias de campanha.

Data AZ: Wellington lidera com 50%; Zé Filho cresce em Teresina

O candidato do Partido dos Trabalhadores ao Governo do Piauí, senador Wellington Dias, lidera a corrida pelo Palácio de Karnak com 50,04% das intenções de voto em pesquisa estimulada, conforme apurou o Instituto Data AZ que foi a campo entre os dias 3 e 7 de setembro, em 51 municípios de todas as regiões do Estado.

O governador Zé Filho (PMDB), que disputa a reeleição, aparece em segundo lugar, com 27,37% das intenções de voto. Zé Filho cresce em Teresina.

O candidato do PSC, o ex-governador Mão Santa, tem 8,59% das intenções de voto.

Todos os outros candidatos de partidos pequenos (Maklandel Aquilo, do PSOL, Daniel Solon, do PSTU, Lourdes Melo, do PCO, e Neto Sambaíba, do PPL), somaram 1,75% das intenções de voto.

A soma de todos os adversários do petista Wellington Dias é de 37,71% das intenções de voto, o que coloca o candidato do PT com uma dianteira de 12,33%.

Os indecisos na pesquisa estimulada somam 7,72% e os que dizem não votar em nenhum dos nomes apontados chegam a 4,53%.

ESPONTÂNEA EM TODO O PIAUI

Na pesquisa espontânea, na qual o eleitor não é apresentado aos nomes dos candidatos em disputa, também a liderança é de Wellington Dias.

Ele tem 34,13% das intenções de voto, contra 19,17% do governador Zé Filho.

O candidato do PSC, Mão Santa, aparece com 4,46%.

Na pesquisa espontânea, o número de eleitores indecisos (37,71%) é cinco vezes maior que na pesquisa estimulada.

Na pesquisa estimulada não apareceu a candidata Lourdes Melo, enquanto os candidatos Maklandel Aquino teve 0,48%, Daniel Solon, 0,24% e Neto Sambaíba 0,16%.

Foram citados ainda os nomes de Elmano Férrer (0,32%), de Silvio Mendes, com 0,24% e de Mauro Tapety, com 0,16%.

Os que dizem não votar em nenhum dos nomes somam 3,02%.

REJEIÇÃO

O ex-governador e ex-senador Mão Santa é o mais rejeitado entre os candidatos a governador: 18,85% dos eleitores disseram que não votariam nele para governar o Piauí.
O segundo mais rejeitado é o candidato petista Wellington Dias, tecnicamente empatado com Mão Santa: 16,31%.

O governador Zé Filho tem rejeição de 14,24%, enquanto Maklandel Aquino aparece com 5,89%, seguido por Lourdes Melo, com 3,42%.

Daniel Solon tem rejeição de 2,86% e Sambaíba, de 2,31%.

Os que não sabem ou não opinam sobre quem não escolheriam como candidato a governador somam 19,31% e os que dizem não rejeitar nenhum candidato somam 16,31%.

Em Teresina, é de 10% a distância entre Wellington e Zé Filho

Em Teresina, onde foram ouvidos 348 eleitores, a distância entre os candidatos Wellington Dias e Zé Filho na pesquisa estimulada é de 10,06%.Verifica-se acentuado crescimento do governador na capital.

O petista tem 41,09% das intenções de voto em pesquisa estimulada, contra 31,03% do peemedebista.

O ex-governador Mão Santa aparece com 9,48%, um pouco menos que o número de eleitores indecisos (9,77%).

Na pesquisa estimulada, 6,03% dos teresinenses dizem não votar em nenhum dos candidatos em disputa.

Os candidatos Maklandel Aquino aparecem com 1,72%, Lourdes Melo tem 0,57% e Daniel Solon, 0,29%. Sambaíba não pontuou.

PESQUISA ESPONTÂNEA EM TERESINA

Na pesquisa espontânea há um empate técnico entre os candidatos Wellington Dias (26,44%) e Zé Filho (23,28%).

Os eleitores indecisos entre os teresinenses comam 35,63%, enquanto 5,46% dizem não votar em nenhum dos nomes em disputa.

O candidato Mão Santa aparece com 6,90% das intenções de voto em Teresina, seguido por Maklandel Aquino (1,44%), Sambaíba (0,29%) Silvio Mendes (0,29%) e Elmano Férrer (0,29%).

Os candidatos Lourdes Melo e Daniel Solon não foram citados.

REJEIÇÃO NA CAPITAL

Na pesquisa para medir a rejeição em Teresina, uma surpresa: o empate técnico entre os candidatos Wellington Dias (22,13%) e Mão Santa (21,84%).

O número de eleitores que não sabem ou não opinam sobre em quem não votariam soma 21,55%.

O governador Zé Filho é o terceiro mais rejeitado, com 9,48%, à frente dos que dizem não rejeitar nenhum dos candidatos (12,36%).

Os menos rejeitados são os candidatos Daniel Solon (1,44%), Lourdes Melo (2,30%), Sambaíba (3,45%) e Maklandel (5,46%).

Ficha técnica da pesquisa
Período da realização – 3 a 7 de setembro de 2014.
Número de entrevistas – 1.257.
Área: 51 municípios do Piauí, incluindo a capital.
Eleitorado do Estado – 2.335.488 (TSE/maio de 2014).
Margem de erro – 3,22%, com nível de confiança de 90%.
Registros – TRE PI-00118/2014 e TSE BR-00551-2014

Veja abaixo o gráfico da pesquisa
20140909155417_e362d20140909155504_9bad9

 Da Redação do Portal AZ
09/09/2014 • 18:53

Pesquisas eleitorais: Lições repetidas

imagesNa política do Piauí as pesquisas eleitorais sempre foram alvo de dúvidas. Em toda eleição é assim e este ano não poderia ser diferente. Os institutos de pesquisas que estão em campo, trabalhando sob encomenda de alguém e para alguém, estão aí mostrando números que deixam o eleitor intrigados e sem saber em quem confiar.

A esta altura do campeonato, com toda movimentação da campanha, tem instituto fazendo pesquisa todo dia. Quando os números são divulgados, nota-se que é uma repetição dos números anteriores. As vezes varia pra mais e pra menos. Tem instituto que aponta certo candidato passeando na casa dos 50%, ao tempo em que o adversário patina na casa dos 20%. Já outros institutos mostram candidato a governador ultrapassando a casa dos 30%, já adentrando na casa dos 40%, enquanto o outro candidato regride, ou seja, sai da casa dos 50% e estaciona na casa dos 40%.

Pois bem, o fato é que o eleitor vai decidir em 5 de outubro. Levado ou não pelas pesquisas ele elegerá o próximo governador do Piauí. E quando as urnas foram apuradas saberemos então qual o instituto de pesquisa trabalhou bem ao ponto de bater com o resultado das eleições. Até o que temos e o que vimos são pesquisas que nos leva a compará-las com lições repetidas.

‘Eu não sabia’ virou a frase-lema de uma época

DigitalMiran“Eu não sabia” passará à história como a frase-lema do Brasil pós-ditadura. Será lembrada quando, no futuro, quiserem recordar a época em que o país era regido pelo cinismo. Lula usou-a no escândalo do mensalão do PT. Citando-o, o tucano Azeredo repetiu-a no processo do mensalão do PSDB. Alckmin empregou-a no caso do cartel dos trens e do metrô. Volta agora, com variações, na desconversa de Dilma sobre o petrolão: “Eu não tinha a menor ideia de que isso ocorria dentro da Petrobras.”

Usada assim, desavergonhadamente, a expressão vai virando uma espécie de código. Quando ela aparece, já se sabe que o país está diante de mais um desses escândalos que, de tão escancarados, intimam os responsáveis a reagir, ainda que seja com uma cara de nojo. É nessa hora que governantes capazes de tudo pedem ao país que os considere incapazes de todo. E alguns brasileiros, como que dotados de indulgência congênita, lhes concedem um deixa-pra-lá preventivo, que transforma cúmplices notórios em cegos atoleimados.

Claro que, entre o arrombamento do cofre e a manchete de primeira página, há um longo caminho de decisões tomadas ou negligenciadas —desde a ordem presidencial para entregar a diretoria da Petrobras a um apadrinhado de PT, PMDB e PP, até o engavetamento dos relatórios do TCU que apontavam superfaturamentos na obra da refinaria de Pernambuco.

Submetido a escândalos em série, o brasileiro precisa confiar na cara dos seus governantes. Mesmo que elas sirvam apenas para dar à mesma porcaria de sempre uma fachada mais atraente. A percepção de que o “eu não sabia” é apenas uma máscara empurraria o país para o ceticismo terminal.

Parte dos brasileiros parece sentir a necessidade de acreditar na ilusão de que a política ainda se divide em duas bandas: a ruim (as oligarquias carcomidas) e a boa (o pessoal da ‘nova política’, os bicudos, a turma da estrela…). A revelação de que, no poder, dilmas e renans são indistinguíveis seria demais para muitos corações.

Por mais cabeludo que seja o escândalo, o sistema acaba se autorregulando. Quando o Congresso escorraça do Planalto um Collor, tem-se a sensação de que o país pode livrar-se de seus gatunos. Quando o STF manda à Papuda a cúpula do PT, enxerga-se a luz no fim do túnel. Mas a reiteração dos assaltos, um engolfando o outro, num moto-contínuo infernal, revela que o brasileiro parece não ter mesmo muitas escolhas: ou é bobo ou é cínico.

Fonte: Uol Noticias/Blog do Josias

 09/09/2014   05:35